A mídia impressa está morta?

 
 

O século XXI veio cheio de novidades, a maioria no campo digital. Parece que tudo o que nos cerca está sendo transformado em dados e interfaces. É inegável o quanto a tecnologia transformou a nossa rotina e a maneira de trabalhar, onde muitos custos são amenizados ou zerados, em alguns casos. Apesar disso, está claro que quando queremos transmitir alguma informação sensorial, dependemos das mídias impressas para causar algum impacto nas pessoas.

Print está morto? Pode parecer que sim, mas acredito que esta mídia ainda vai durar por um bom tempo. Ainda mais se considerarmos que muitas pessoas que atuam profissionalmente vivenciaram a expectativa de comprar um CD em uma discoteca e mal podiam esperar a hora de abrir e folhear o encarte. Hoje é muito mais fácil assinar algum serviço de streaming e nem precisar mais correr o risco de pegar um disco riscado que pulava algum trecho da música.

Se falamos de qualidade, que tal os nostálgicos discos de vinil, que estão voltando com tudo. Eles oferecem uma qualidade de som tão superior, que mesmo com toda a facilidade disponibilizada na web, muitos adeptos estão investindo na ressurreição da industria do LP.

 
 
 
 

Combinando elementos

 

Da mesma forma acontece com as mídias impressas. É muito prático assinar jornais via iPad ou ler uma revista no Issuu, entretanto, é no tipo de papel, na laminação da capa e no acabamento com lombada quadrada que podemos transmitir alguma sensação física de padrão superior, refinamento e sofisticação. As mídias impressas nos permitem usar detalhes técnicos e transformá-los em parte essencial do projeto editorial.

Muito do que acontece com os impressos depende exclusivamente de pessoas, e esse contato humano as aproxima bastante das marcas que as rodeiam. Uma das peças mais comuns e baratas, o cartão de visitas, parece ser imune a toda essa tecnologia, e a cada dia vemos pessoas investirem para ter o cartão diferenciado e até combinando com um pouco de tecnologia.

 
 
 
 
 

Maximizando a experiência pessoal

 

A humanidade dispõe dos 5 sentidos básicos — Audição, Olfato, Paladar, Tato e Visão. Se queremos explorar alguns deles simultaneamente, as mídias impressas são um prato cheio para isso. Somente com um bom impresso em mãos que o tato percebe a qualidade dos papéis e o baixo relevo na capa, enquanto os olhos apreciam o conteúdo através de um bom design nas páginas. Aliás, muitos materiais gráficos possuem um aroma próprio.

Impressos sugerem momentos, do café e jornal de manhã ao cartão no buquê durante o pedido de casamento. São mídias variadas para ocasiões diversas. O que todas tem em comum é a experiência sensorial que oferecem. As marcas que são associadas com esses momentos, seja no ambiente corporativo ou no familiar, tendem a ganhar mais adeptos.

Cada mídia tem o seu lugar, o interessante é aproveitar ao máximo o que cada uma delas pode oferecer para sua marca ganhar evidência. Seja qual for o seu projeto — livro, revista, jornal ou identidade visual, conte pra gente… hello@cesarebrand.com

 
 
DesignGustavo Pereira